sexta-feira, 22 de junho de 2007

Tenho uma vida profissional
Que me rouba imenso tempo.
Mesmo que seja só meio dia
É muito tempo roubado à fantasia
Ao tempo e à vida que eu gostaria
De ter só comigo e com a poesia.

Mas não conheço outra maneira
De ultrapassar aquela barreira
Que é a caixa da mercearia
Do Ti Belmiro de Azevedo
Que só troca os feijões
Por tostões
Por isso não tenho sossego
Trabalhando neste emprego
Onde gasto tanta energia
Que bem mais útil seria
Gasta a escrever poesia.

Joaquim Marques

5 comentários:

Anónimo disse...

Depois de um ou de meio-dia
Trabalho intenso e desgastante
Aborrecimentos bastantes
Ainda te sobra ''tempo''
E talento
Para a fantasia
Para a poesia!...

Não é admirável?

Quão valioso TU és
Só por isso!...

Isa

luzinha disse...

Tal como vc , tb eu gostaria de gastar o meu tempo de outra forma.
Mas a lei da vida assim me o exige e tenho que ir à luta todos os dias.
Que Deus nos ajude a poder continuar a ter todos os dias algo porque lutar.

beijitos

Audrey disse...

Ah como seria bom se pudéssemos ser o que quiséssemos..
Ah como seria bom se pudéssemos ter o que quiséssemos...
Mas para nos atormentar o juízo, somos e fazemos exatamente o que não queremos...
E quando raramente acontece algo, que nos permita ter um certo prazer, nos vem alguma coisa para apimentar e amargar a alma...
Ser feliz tem seu preço...
Custa caro e dura pouco...
É raro...e ficamos com medo quando acontece...nem acreditamos....
Deixamos de ser completos...porque ficamos perdendo tempo nos perguntando se merecemos ou não...
E quando nos damos conta...já passou...
Agradecer o tempo que temos...viver o tempo que não temos é tudo que podemos fazer...para pessoas que vivem a correr nessa vida por um segundo de prazer e felicidade....
Bjs meu gato..
Adoro vc!!!

JRL disse...

Olá Joaquim,

Vejo-me reflectida neste teu poema e percebo muito bem o sentimento...
Beijos

Anónimo disse...

A tua irritação não solucionará problema algum.
As tuas contrariedades não alteram a natureza das coisas.
O teu mau humor não modifica a vida.
A tua dor não impedirá que o sol brilhe de amanhã sobre os bons e os maus.
A tua tristeza não iluminará os caminhos.
O teu desânimo não edificará ninguém.
As tuas lágrimas não subsistem o suor que deves derramar em benefício da tua própria felicidade.
As tuas reclamações, ainda que afectivas, jamais acrescentarão nos outros uma só grama de simpatia por ti.
Não estragues teu dia. Aprende a desculpar infinitamente, construindo e reconstruindo sempre, para o bem infinito.

Querido Caçulinha,
sorriso!
:)