terça-feira, 12 de junho de 2007

Na tua contabilidade
Entre o dar e o receber
Nunca ficarás a perder
Se deres sem esperar.
E receberes sem querer.

Especialmente no amor deves aplicar
Esta regra elementar
E assim ficarás sempre a ganhar
Já que o amor é uma forma de estar.

A não ser que te deixes apaixonar,
Nessa altura
Ofereces com doçura
O amor do teu coração
E deixa de dar razão
Ao teu sentimento de posse.

Se meu
É aquilo que não é de mais ninguém
E o teu amor
É por alguém
Por um Ser Humano
Então ama livremente o fulano
E lembra-te caso tenhas esquecido
Que o sentimento de posse
Foi há muito abolido
Desde aquela funesta altura
Do tempo da escravatura.

Joaquim Marques

2 comentários:

Anónimo disse...

Amar desinteressadamente...
Incondicionalmente...
Genuinamente...
Intensamente...
A única e verdadeira
Forma de Amar!...

Parabéns por mais um poema a tocar o coração... e a alma!...

Isa

audrey disse...

Costumo dizer...que amar e amor são coisas comparadas a pássaros
Amar é ter liberdade...
Amor é ser livre...
Quando consideramos nosso amor como pássaros...o libertamos...
Nunca deixando de o alimentar...mas sempre livres..vão e vêm...
Não são nossas propriedades...nos amam porque querem....
E pelo meu querer quero-o livre..
Quero ve-lo voar...quero sentir e ouvir o bater de suas asas...
E derrepente...bem mais que derrepente.....
Olhar pela janela e o ver denovo...lindo...olhando prá mim...e dizendo que voltou porque é apenas meu....

Te adoro meu gato...!!!