quinta-feira, 19 de abril de 2007

( J.M. faz-me um poema! )


Retratos
Pacatos:
Plurais de situações abstractas
Quando invento e não penso
E não sou dono dos meus actos.
Faço-os pacatos
Como a cor do amendoim
E esqueço-os
De conteúdo
Que diga só respeito a mim.
São retratos
Vozes da caneta e do momento
E dos pedidos que assento
Nalguns lugares

Chatos.


Joaquim Marques

2 comentários:

Anónimo disse...

Retratos, vozes, pensamentos
De lugares, actos e momentos...

Retratos pacatos... abstractos...
Retratos pedidos e prometidos...
Esquecidos ou não entendidos...
Retratos irreflectidos...
Retratos perdidos...

Retratos pensados ou inventados...
Retratos concretos...
Incompletos...
Retratos começados...
Inacabados...

Retratos de momentos desejados...
Retratos de actos sonhados...
Retratos de sentimentos...
De sentimentos guardados...

Isa

AUDREY disse...

FENIX

Eu prisioneiro meu
Descobri no breu
Uma constelação
Céus,
Conheci os céus
Pelos olhos seus
Véu de contemplação
Deus,
Condenado eu fui,
A forjar o amor
No aço do rancor
e a transpor as leis
Mesquinhas dos mortais
Vou
Entre a redenção
E o esplendor
De por você viver
Sim,
Quis sair de mim
Esquecer quem sou
E respirar por ti
E assim transpor as leis
Mesquinhas dos mortais
Agoniza virgem fênix
(O amor)
Entre cinzas,arco-íris e esplendor
Por viver às juras de satisfazer
O ego mortal
Coisa pequenina,
Centelha divina
Renasceu das cinzas
Onde foi ruína
Pássaro ferido
Hoje é paraíso
Luz da minha vida
Pedra de alquimia
Tudo o eu que queria
Renascer das cinzas
Quando o frio vem
Nos aquecer o coração
Quando a noite faz nascer
A luz da escuridão
E a dor revela a mais
Esplêndida emoção
O amor...
(Jorge Vercilio...cantor e compositor)

De adoro muito gato...beijos