quinta-feira, 26 de abril de 2007

Ei!
Ouçam lá com atenção:
Eu não sou poeta
Nem tenho essa pretensão!

Terei que repetir isto até à exaustão?

Já me não basta a preocupação
De ter uma vida
A forma como sinto o meu olhar
Os sentimentos
Que me fazem cantar,
Sorrir,
Chorar,
E ainda ter que me comparar
Com outros seres iluminados
Com os seus textos publicados
De um lirismo surpreendente
Por todos reconhecido
Como é evidente!

Não sou poeta
E acabou-se a confusão!
Não queiram fazer do pedreiro
Um engenheiro,
Cada um na sua função!

Só aceito ser
Poeta de mim mesmo,
Poeta dos outros não!


Joaquim Marques

2 comentários:

Anónimo disse...

Não é ''o Poeta de si mesmo'' que escolhe ser, ou não ser, ''o Poeta dos outros''!...
É aos outros que cabe essa escolha!...

Sem qualquer pretensão
Sem possível comparação
Sem nenhuma confusão...

Com poética inspiração
Com inspirada imaginação
Com iluminada expressão...

Senhor de expressiva sensibilidade
Senhor de uma grande humildade!...

Tenho muito orgulho em Ti, Amigo Poeta!...

Isa

AUDREY disse...

Ei LEIA com atenção ...
E torno a dizer...
Mesmo com essas palavras...
Foi poeta de todos nós...
E não adianta contestar...
É a carga que terás que levar...
Quem manda escrever? quem manda mostrar? somos leitores assíduos...de nossas vidas..através de suas palavras...
E através de você...por um minuto conseguimos expressar...um certo lirismo de nós...

TE ADORO MUITO MENINO!!