domingo, 25 de março de 2007

A ti irmã de sempre
A ti amor eterno
A ti que sinto sempre presente
Com o teu abraço meigo terno.

A ti minha mana
A ti que o meu coração clama,
A ti que sempre tive
E terei
Pelas razões que não sei.
A ti ofereço a minha alma,
A minha alegria,
Nesta tarde calma
Todos os sorrisos deste dia.
A ti entrego o meu querer
A minha razão de viver,
O sentido desta vida a correr,
A beleza deste lugar
Que construí a pensar,
Sem nunca entender,
Que também tu saberias perceber
Com singelo carinho
Como foi o rasgar deste caminho
Que me deixa aqui
E de tão longe me transporta até ti.

A ti e para ti, com eterna devoção
Entrego a paz e as alegrias
O sossego e a emoção
E as vitórias destes dias.



Joaquim Marques

3 comentários:

Anónimo disse...

Sabe Deus quanto amei.
Amei o sorriso, o toque e a presença.
Amei a tua existência na minha vida.
Amei, simplesmente amei.
Mas amei demais...

Aceitei mentiras e traições.
Aceitei difamações e virar de costas.
Aceitei o ruído do silêncio e o telefone que nunca mais tocou com a tua voz.
Aceitei a dor e a solidão, porque acreditei no teu reconhecimento do erro, que não chegou.
Aceitei a frieza do teu coração, perante o fervilhar do sentimento com que gratuitamente te alimentei.
Mas amei demais...

Amei-te tanto que me esqueci de mim.
Esqueci-me que também tenho uma vida.
Uma vida com direito a ser feliz.
Estagnar numa dor, é parar no tempo.
É desvalorizar outros que por certo merecem o nosso amor e atenção.
Mas, oh meu Deus, amei demais...

Amei tanto, tanto, que voltaria amar-te de novo, se o tempo voltasse a trás.
Mas como não volta, não mais direi novamente, o que tantas vezes te disse.
Porque amarmos quem merece o nosso amor, nunca será... amarmos demais

Anónimo disse...

Amor é brando, é doce, e é piedoso.
Sintonia de marfim, acácias e também jasmim,
e outras flores
e fragâncias de saudade
Eterno será como poesia...
escrita... descrita...
Por... humildes dedos...
Simplesmente por amar
Se cerrado... no peito...acabou... por acabar
nunca... se tem direito... a algo assim...
Como almofada... que aconchega o pensamento...
à noite... de tarde... numa manhã...pela madrugada...
que para muitos... cumpridos nunca serão...
Esperar... mas não ter tempo... pois
ele pode partir... e não esperar...
Dor no peito,
que escurece a alma
será... que tem jeito?
Que mal o ser terá feito?
Para partida assim?!
ir embora, e,... nem uma satisfação.
:)

AUDREY disse...

OUTRO POEMA PREDILETO MEU....
NOSSA !...
QUE SORTUDA...RS
BEIJOS...
TE ADORO...