domingo, 2 de maio de 2010

POEMAS

Poemas que faço
Poemas que desfaço
Com a face corada
Cor
Do vermelho que corre no sangue
Do coração que me falta
Quando coro a face e
Faço poemas desfeitos.

Poemas que faço
Que nascem com força d’aço
Que esmago com um traço
Todos os passos do
Laço que me aperta a garganta.
E desfaço o que faço
Sem saber fazer feitos que
Não fujam aquilo que sou e traço,
E penso e quero
E faço sem o vermelho da face
Que me funde no calor do poema.

Por isso te faço, poema.

Por isso poema que faço
Não receies
Que te não desfaço
Enquanto me apertar o laço na garganta
Sob a face vermelha de sangue
Que me dói em ti.



Joaquim Marques

2 comentários:

Anónimo disse...

Faz poemas...
Desfaz poemas...
Faz poemas feitos...
Faz poemas desfeitos...
Mas faz... ou desfaz...
Poemas feitos... ou desfeitos...
Serás sempre o meu POETA!!!
Isa

Audrey disse...

Seus poemas provocam encantos...os meus arrepios....a minha torcida...
Seus poemas representam a minha alma...de quem não tem coragem de escrever...mas que ao ler seus poemas...transporto-me..me vejo.
Seus poemas têm agora meu dia a dia....meu alimento de uma tarde..de uma noite...
Ó meu poeta!...faça ou desfaça....nunca..nunca mais esconda esses poemas que me fazem suspirar...e que me trazem o ar .
Bjs