quinta-feira, 22 de março de 2007

A minha sina é viajar
A correr e a saltar
E a mudar de lugar.

O meu sossego é ficar
Parado e quieto
A olhar
A beleza do jardim
Deste lugar
Neste meu castelo de encantar.

Todos os dias penso em parar,
Em contrariar
A minha sina
E ficar aqui
Solto dos compromissos que vivi.
Todos os dias acordo vestido
De mim e de nada
E dos pensamentos da noite passada,
E de chávena na mão
Olho com emoção
As realizações
Do meu querer.
E fito o orgulho que deixo
Neste lugar,
Onde repouso de cada viagem,
Que deixei de fazer
Mas que sei
Que voltará a acontecer.

Se a minha sina é viajar,
E é sempre mudar de lugar,
E se ela me adivinha,
Ela sabe que voltarei sempre aqui,
Ao lugar onde renasci
Desde que te construi
Meu castelo de encantar.

Voltei a nascer aqui,
Voltei aqui a viver
E a partilhar o meu querer
Com todos e com ninguém
E sinto que serei para além
Do anfitrião,
Um amigo e um irmão
De colher de pau na mão
E olhar enternecido
Pelo prazer oferecido
A quem se quis acolher
Neste meu lugar, neste meu entender
De que há sempre alguém
Que exclama:
eu aqui sinto-me bem!

Amigo do coração,
Conhecido só de ocasião,
Eu vivo aqui,
vivo a pensar em mim e em ti
e foi por nós que construí
este lugar de eleição
enaltecido pelo meu coração
e embelezado
pelas cores destas manhãs de verão.



Joaquim Marquees

1 comentário:

Audrey disse...

É sempre bom ter um lugar para voltar depois de uma longa viagem...
Te adoro gatinho...